Porque é que o príncipe George está sempre de calções?

Segundo o especialista em etiqueta William Hanson, a tradição britânica é o que explica o facto de o príncipe George usar sempre calções. "Um par de calças num jovem rapaz é considerado suburbano".

Tudo, no príncipe George, parece chamar a atenção: as bochechas, o cabelo loiro, o olhar reguila e, claro, os calções. Rara é a ocasião em que não vemos o filho dos duques de Cambridge, William e Kate, de três anos, com os joelhos de fora, seja numa visita oficial ao Canadá, num retrato oficial de família, no aniversário ou no Natal. Curiosamente, a escolha de indumentária não é uma questão de estilo ou preferência, mas sim, e simplesmente, de tradição.

"É algo muito britânico vestir um jovem rapaz com calções", explica à Harper"s Bazaar William Hanson, especialista em etiqueta. "As calças são para rapazes mais velhos e homens, enquanto os calções são um dos silenciosos marcadores de classe que temos em Inglaterra para meninos mais novos. Embora os tempos estejam a mudar, um par de calças num jovem rapaz é considerado algo de classe média, suburbano. Nenhum membro da realeza quer ser visto como suburbano", esclarece ainda.

A família real britânica faz questão de manter esta tradição. Talvez por isso, se procurarmos fotografias dos príncipes William e Harry quando eram crianças, os vejamos a usar calções semelhantes aos de George.

Mas esta é apenas uma pequena parte do ciclo. "Um bebé usa vestido durante o primeiro ano e depois começa a usar outras peças de roupa, como os calções. Um rapaz faz a transição para as calças por volta dos oito anos", sublinha Hanson.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.