O negócio hoteleiro de elite que se tornou num pesadelo para Kardashian

Residência de luxo em Paris onde decorreu assalto à mão armada não é publicitada, passa de boca em boca entre os famosos e chega aos 15 mil euros por noite

O No Address France, também conhecido por Hôtel Pourtalès, em Paris, primava pela discrição, mas é nas bocas do mundo que este edifício com várias residências de luxo se encontra atualmente, na sequência do assalto à mão armada de que foi vítima Kim Kardashian na madrugada de segunda-feira, enquanto se encontrava ali hospedada.

Situado em plena capital parisiense, mais precisamente na Rua Tronchet, este tem sido, nos últimos anos, o refúgio ideal para personalidades como Prince, Leonardo DiCaprio, Madonna, Marion Cotillard ou Kanye West - marido da protagonista do reality show Keeping Up with the Kardashians.

Estes apartamentos podem ser alugados por alguns dias ou semanas e são acompanhados de serviços de conciergerie de grande luxo. Quem lidera o staff é Jean-Alexandre Aymé, que já desempenhou funções no grupo hoteleiro Costes.

Todo o conceito do No Address reside nas palavras luxo e confidencialidade, nem que seja pelo facto de não estarem presentes em sites de reserva, focando-se numa clientela rica e mais elitista. Ao contrário de outras estâncias hoteleiras como o Ritz ou o Four Seasons, não existe uma entrada aberta ao público, tornando-o invisível aos olhos de quem lá passa. Neste tipo de residências particulares, o acesso é feito a partir de uma porta discreta situada no interior do pátio do hotel. O cliente pode também optar por entrar sem sair do veículo, por intermédio de um elevador.

Nascido da divisão em apartamentos de dois edifícios, o Hôtel Pourtalès foi adquirido, em 2004, pelo empresário Alexandre Allard e é composto por nove apartamentos com uma superfície média de 100 metros quadrados cada. O facto de apenas dois dos apartamentos estarem dentro do hotel - os restantes estão situados em anexos modernos - permite às celebridades múltiplas saídas sem serem apanhadas pelas lentes dos paparazzi ou incomodadas com o assédio dos fãs.

Classificado como monumento histórico em 2002, o edifício datado do século XIX possui ainda uma Sky Penthouse situada no sexto e sétimo andar com 350 metros quadrados, jardim privado e jacuzzi. O preço por uma noite varia entre os 2000 e 15 mil euros, se optar por esta última moradia topo de gama.

Desde a sua abertura, em 2010, o hotel não foi alvo de uma campanha publicitária e não tem qualquer site, operando principalmente através do boca-a-boca entre figuras de elite. Só na cidade de Paris, existem diversos hotéis particulares deste género, à volta de 500.

O incidente que envolveu Kim Kardashian e que culminou com um furto de joias estimado em 10 milhões de euros veio abalar os paradigmas da indústria hoteleira de luxo e levantou um debate sobre a segurança nacional. Há mais de 20 anos que ninguém perdia tamanho valor num assalto em França.

A Presidente da Câmara Municipal de Paris, Anne Hidalgo, referiu em comunicado que tais agressões são "muito raras"e que "não põem em causa o trabalho da polícia e da segurança nos espaços públicos em Paris". A esse propósito Hidalgo citou o exemplo da Nuit Blanche, um evento da capital francesa ocorrido no último sábado "sem incidentes".

Nathalie Kosciusko-Morizet, líder da oposição, disse à rádio francesa Europe 1 que o assalto à mão armada demonstra "uma urgência geral da segurança em Paris" e considera que "o atual poder político não foi suficiente reativo". Do seu lado, Didier Chenet, presidente do Groupement National des Indépendants, uma das organizações patronais da hotelaria e restauração, entende que "não é a segurança do país que está em causa"."É a segurança deste tipo de estabelecimentos", disse ao jornal Les Échos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG