Quim Barreiros responde a paródia de Ricky Gervais

"Sinto-me recompensado", diz Quim Barreiros sobre a publicação no twitter do comediante britânico Ricky Gervais, seguido por 5,2 milhões de pessoas

A estrela da série "O escritório" achou graça à imagem e partilhou-a com a legenda: "Não sei se o título condiz com a imagem". O artista diz-se "surpreendido e orgulhoso". "Sinto-me recompensado. Estar ao lado de um grande humorista britânico, é sinal de que gostam do que eu fiz", diz Quim Barreiros.

A imagem serviu, há 40 anos, de promoção ao single "Recebi um Convite (à casa da Jóquina)", que fez muito sucesso na altura. O cantor aproveitou para deixar um alerta a Ricky Gervais. "Se ele entendesse o duplo sentido que ponho nas cantigas, acho que ele ia começar a gravar as minhas músicas", ri-se.

Quim Barreiros achou graça à brincadeira e recorda o dia em que tirou aquela fotografia. "Tem piada que quem a tirou foi um fotógrafo britânico, que era muito amigo do meu chefe de produção, Carlos Cruz", começa por relatar.

E prossegue: "Quando eu comecei a gravar já tinha umas ideias malucas (risos). Como sou um cantor brejeiro e de duplo sentido e como a capa de um disco também vende, pus a concertina à frente e não há dúvida nenhuma que essa capa me ajudou a vender o disco", afiança.

O cantor popular quis responder ainda à pergunta retórica do comediante britânico, quando ele se refere ao nome do disco: "O título condiz com a imagem e a própria música também. Não tenham dúvida nenhumas disso", diz.

A preparar mais um disco de originais, previsto para a Páscoa de 2014, Quim Barreiros brinca com a possibilidade de voltar a aparecer nu num album: "De vez em quando ainda me dispo, mas tenho de tomar um viagrazinho porque isto já não arrebita assim com muita facilidade" (risos).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.