Ouro e cristal: o luxuoso casamento do príncipe do Brunei

Filho do sultão do Brunei e segundo herdeiro ao trono casou-se, numa opulenta cerimónia que dura 11 dias e termina amanhã.

Trajes adornados com ouro, sapatos com cristais e ramo de jóias em vez das tradicionais flores. A opulência tem sido a palavra de ordem no casamento do príncipe Adbul Malik, um dos filhos do Sultão do Brunei, Hassanal Bolkiah, um dos homens mais ricos do mundo, com Dayangku Raabi"atul "Adawiyyah Pengiran Haji Bolkiah.

Para um orçamento destes, uma festa à altura. A cerimónia matrimonial entre o segundo na linha de sucessão ao trono, de 31 anos, e a ex-analista de dados, de 22, começou no dia 5 e vai durar 11 dias, estendendo-se, assim, até amanhã. A festa acontece no Palácio Istana Nurul Iman, residência oficial do sultão e também a sede de governo deste reino do sudeste asiático, com quase dois mil quartos, mais de 250 casas de banho, cinco grandes piscinas e parque de estacionamento para mais de 100 carros. Mais do que suficiente para os cerca de cinco mil convidados para as festividades.

Nas fotografias que têm sido divulgadas à imprensa, o príncipe Abdul Malik e a noiva usaram vestidos adornados com ouro e preenchidos com diamante e outras pedras preciosas. Ainda, Dayangku carregou um buquê de jóias em vez do tradicional ramo de flores e calçou uns sapatos recheados com cristais Swarovski (assim como as pulseiras), feitos de propósito para a ocasião pelo estilista francês Christian Louboutin. Além disso, a agora mulher do segundo herdeiro ao trono chamou a atenção com uma vistosa coroa e colar, ambos decorados com diamantes e esmeraldas a condizer.

Ao longo dos anos, o sultão do Brunei tem construído um autêntico império com as suas grandes reversas de patróleo e gás natural, num território que é já o quarto maior exportador deste ramo no sudeste asiático. Em 2008, a revista Forbes colocava Hassanal Bolkiah como um dos homens mais ricos no mundo, com uma fortuna avaliada em cerca de 18 mil milhões de euros, apesar da mesma já ter atingido um pico de 37 mil milhões de euros no passado.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG