Victoria Beckham: de Spice Girl a embaixadora da ONU

A mulher de David Beckham visitou a Fundação Elton John para a Sida, na África Sul, naquela que foi a sua primeira visita oficial enquanto embaixadora da Boa Vontade

O mundo habituou-se a vê-la vestida com roupas de marca, joias caras e carros topo de gama. Victoria Beckham, que é considerada por muitos como um ícone de estilo, abandonou por momentos a sua vida glamorosa e partiu rumo à África do Sul, naquela que foi a sua primeira viagem desde que foi nomeada pela ONU como embaixadora da Boa Vontade.

A estilista esteve no Soweto para manifestar o seu apoio à Fundação Elton John Aids, instituição criada pelo cantor britânico e que tem como missão ajudar portadores do vírus VIH. A mulher de David Beckham fez questão de privar com as crianças que recebem ajuda da instituição e partilhou com os fãs alguns momentos da sua visita na rede social Twitter. "Nos últimos três anos, a Fundação Elton John Aids ajudou mais de 60 mil mães a dar à luz bebés sem o vírus VIH", escreveu Victoria Beckham, publicando uma fotografia na qual aparece com um bebé ao colo.

Naquela que foi a sua primeira ação como embaixadora, a estilista optou por um visual mais discreto do que o habitual, combinando umas calças de ganga de lavagem escura com uma T-shirt preta. Victoria Beckham não se coibiu de se sentar no chão com um grupo de jovens mulheres, com quem conversou sobre a prevenção do VIH, nem de fazer um graffito num dos muros da instituição. "Educação + Arte = Futuro livre de sida, escreveu.

A visita da empresária à África do Sul aconteceu duas semanas depois de ter sido nomeada como embaixadora da Boa Vontade pela ONU. Na altura, Victoria Beckham falou sobre a importância desta sua missão e por que motivo decidiu dedicar-se às causas humanitárias: "Sou mãe e mulher. Vou fazer o que puder para conseguir arrecadar dinheiro. Estou apaixonada por esta causa", começou por explicar na conferência de imprensa que teve lugar em Nova Iorque. "Recentemente visitei a África do Sul e senti-me muito inspirada pelas mulheres que encontrei. Fui para casa e senti que tinha de fazer alguma coisa. Precisei de fazer 40 anos para perceber a responsabilidade que tinha. Este é o começo de uma jornada incrível para mim", acrescentou a empresária, que já tinha visitado a África do Sul em fevereiro último.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.