Taxista entrega bengala a António Victorino d'Almeida

O maestro português já pode respirar de alívio. Depois te ter perdido a sua bengala num trajeto de táxi, na quarta-feira, Victorino d'Almeida foi contactado pelo próprio taxista, que a encontrou debaixo do banco.

"Felizmente já a encontrei!", revelou o músico ao nosso jornal, incapaz de disfarçar a alegria que sente. "Foi o motorista que ma devolveu. Ela tinha sido esquecida no táxi e escorregou para debaixo do banco. Só quando ele foi limpar o carro, ontem, é que a viu e telefonou para a companhia de táxis, que depois me ligou para casa a avisar. Eu e as minhas filhas fomos logo lá ter. Foi um susto horrível!", sublinhou.

A ocasião, frisa o pianista, até terá direito a celebração: "Ficámos amigos [António e o taxista] e vamos jantar todos juntos", conta, entusiasmado.

Relembre-se que a bengala é usada por Victorino d'Almeida há 45 anos, tendo-lhe sido oferecida pelo pai. Garante o maestro que a sua companheira não regressou com nenhum dano, tirando aqueles que já a caracterizam e que a tornam especial: "Já está um pouco esburacada, mas ela é mesmo assim", assinala, entre risos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.