Stephen Hawking acalma fãs dos One Direction

O astrofísico falou sobre a saída de Zayn Malik da boysband britânica e explicou que num universo paralelo o jovem de 22 anos poderá ainda fazer parte dos One Direction

O astrofísico e cientista Stephen Hawking aproveitou a sua participação através de um holograma em 3D numa conferência na Universidade de Cambridge para acalmar os fãs dos One Direction que perderam há um mês um dos seus cinco membros, Zayn Malik.

Enquanto falava sobre os mistérios do universo, sobre o futuro do planeta e a doença que o condiciona há décadas, a esclerose lateral amiotrófica, uma pessoa na plateia perguntou ao britânico: "Qual acha que é o efeito cosmológico da saída de Zayn dos One Direction e, consequentemente, dos corações partidos de milhões de adolescentes no mundo?".

O professor que inspirou o filme A Teoria de Tudo respondeu de forma original: "Finalmente, uma pergunta sobre algo importante. O meu conselho para todas as raparigas com o seu coração destroçado é que prestem atenção aos estudos da física teórica. Porque um dia poderão existir provas de universos múltiplos. É possível que algures fora do nosso universo exista outro diferente - e que nesse mesmo universo Zayn ainda faça parte dos One Direction", explicou o cientista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.