Sara Santos será protagonista de filme norte-americano

A manequim portuguesa, e ex-Miss Playboy, vai rumar aos Estados Unidos já na próxima sexta-feira para mostrar o que vale na arte do cinema.

Sara Santos chegou a Portugal há cerca de dois meses e meio, depois de ter vivido em Chipre nos últimos anos ao lado do seu namorado, o futebolista Carlos André. Mas, ao ter ganho um casting para protagonizar uma curta-metragem, a modelo lusa, de 29 anos, vai voltar a atravessar a fronteira, desta vez em direção a Nova Iorque.

"Posso dizer que a minha personagem é baseada numa mulher forte e inteligente que, ao mesmo tempo, é audaciosa e sexy", revelou Sara ao Jornal de Notícias. O filme será apresentado no Festival de Toronto, já na próxima semana, e a jovem vai marcar presença na plateia.

A sua carreira como manequim, garante Sara Santos, não está esquecida, uma vez que vai assinar contrato com a International Talent Agency (ITA), "uma agência top em Los Angeles" com sede em Beverly Hills e, deste modo, começar a conquistar olhares também no continente americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".