Ronaldo e família passam a Páscoa juntos

Dolores Aveiro esteve em Portugal por uns dias, mas já está de malas feitas para rumar para Madrid. "Vamos estar todos juntos na Páscoa, até porque temos de dar apoio ao Ronaldo que está lesionado", disse

Nesta união familiar só fica a faltar mesmo Kátia Aveiro, que não pode estar presente por ser uma das participantes de Supervivientes, o reality show espanhol emitido das Honduras.

Dolores Aveiro admitiu que tem "muitas saudades" da filha. E que agora está dedicada ao filho. "Temos de estar ao lado dele. Ele não tem dores e isso é o que interessa, só tem que parar duas semanas", assegurou, augurando uma rápida recuperação.

Apesar de divorciado de Kátia Aveiro, desde 2012, José Pereira continua a ter "uma boa relação com com a sogra. "Independentemente das coisas acontecerem, somos uma família muito unida", assegurou o empresário que estará na capital espanhola para passar a quadra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Bernardo Pires de Lima

70 anos depois

Desde 2016 que os dois principais aliados atlânticos de Portugal estão numa deriva deslegitimadora das duas organizações pilares das democracias europeias. Reino Unido e EUA têm infligido uma pressão colossal na UE e na NATO, enquanto protagonizam um triste espetáculo interno de autoflagelação política. Até quando será suportável aguentar tudo isto em simultâneo? Em ano de pressão eleitoral, estaremos conscientes dos seus efeitos sistémicos?