Princesa Madalena da Suécia batiza a filha Leonore

Festa realizou-se no mesmo dia em que os pais da bebé completam um ano de casamento

A primeira filha da princesa Madalena da Suécia e de Christopher O'Neill foi batizada na manhã deste domingo capela do palácio de Drottningholm, situado em Estocolmo, e contou com a presença de cerca de 160 convidados.

Para cumprir a tradição, a princesa Leonore - que é a quinta na linha de sucessão ao trono sueco - usou um vestido em tons creme muito semelhante ao usado pela filha da princesa Victoria e sua prima, a princesa Estelle, no dia do seu batizado. A princesa Madalena, por seu turno, optou por um vestido em renda rosa-pálido.

Entre os 160 convidados para a cerimónia estiveram presentes os avós maternos, os reis Carlos Gustavo e Sílvia, o príncipe Carl Philip que acompanhou a mãe de Chris O`Neill, Eva Maria Walter, e o príncipe Daniel, marido da herdeira do trono sueco.

Para o seu batizado, a princesa Leonore teve direito a um total de seis padrinhos e madrinhas: A princesa Victoria, Tatjana d`Abo, Louise Gottlieb, Patrick Sommerlath, o conde Ernst Abensperg und Traun e Alice Bamford.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.