Patrícia Tavares acusa justiça de não a proteger

A atriz foi ao 'Você na TV', TVI, para falar sobre o homem que a perseguiu durante um ano e meio. Emocionada, criticou o facto de o tribunal não lhe ter imposto uma ordem de restrição.

"Ele mandou-me mensagens ordinárias, mensagens de todo o carácter, de experiências sexuais que tinha com outras pessoas, mensagens a dizer o que me queria fazer, a dizer que adora a minha filha e que a minha filha o adora... Eu cheguei a por a minha sanidade mental em questão", confessou Patrícia Tavares a Manuel Luís Goucha e a Cristina Ferreira, à beira das lágrimas.

"Ele diz que nós demos um encontrão em 1999 no Armazém F [Chiado] e que ficámos apaixonados. Eu é que não me lembro. E diz que foi ver-me ao teatro e que eu olhei para ele enquanto estava a representar e que num olhar lhe disse tudo. Nunca percebi bem o que é que ele queria mas pelos vistos queria casar comigo, tinha uma fixação qualquer", reconheceu a atriz.

O arguido é Nuno Simões, de 38 anos, que recentemente foi condenado pelo Tribunal de Loures a pagar uma multa de 2750 euros e uma indemnização de 7000 euros. Pelo facto de ele não ter sido impedido de chegar perto de si e da sua filha, Carolina, de 11 anos, Patrícia Tavares admite não se sentir plenamente segura. " Eu fui privada da minha liberdade e sinto que posso continuar a ser. A justiça que me devia proteger não o fez", lamentou à dupla das manhã da TVI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.