Novo namorado de Gwyneth Paltrow é co-criador de 'Glee'

De acordo com a revista 'US Weekly', a atriz e Brad Faluck têm estado juntos e no final de julho passaram um fim de semana romântico em Utah.

Separada de Chris Martin desde março, a atriz, 41 anos, voltou a reencontrar o amor ao lado de Brad Falchuk, 43 anos, o que afasta as hipóteses de reconciliação com o vocalista dos Coldplay.

Paltrow conheceu o produtor começou em 2010, quando ela deu vida a Holly Holday em várias temporadas da série 'Glee', agora o amor terá falado mais alto, e segundo a US Weekly, dois mantém um romance.

De acordo com a mesma publicação, os dois tem sido vistos juntos várias vezes, e adianta também que o casal passou um fim de semana romântico no estado de Utah, nos Estados Unidos.

Gwyneth Paltrow esteve casada durante 11 anos com Chris Martin, o vocalista da banda Coldplay, de quem se separou em março deste ano e de quem tem dois filhos, Apple, 10 anos, e Moses, 8.

Curioso é o facto de Falchuck também se ter divorciado após 10 anos de casado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.