Mulher de Michael Schumacher vende casa e avião do piloto

Corinna Schumacher já vendeu a casa de férias na Noruega e procura comprador para o avião privado, um Falcon 2000 FX, do piloto de Fórmula 1. Michael Schumacher continua a recuperar de um acidente de esqui nos Alpes Franceses, em dezembro de 2013

A mulher do piloto alemão vendeu a residência de verão que o casal tinha na Noruega e, agora, quer encontrar um comprador para o avião particular de Schumacher, um Falcon 2000 FX, pelo qual o campeão de Fórmula 1 terá pago 35 milhões de euros, segundo a revista Bunte. Já de acordo com a imprensa britânica, Corinna quer também desfazer-se do chalet da família em Méribel, nos Alpes Franceses, onde Michael Schumacher sofreu um acidente de esqui, em dezembro de 2013, que o deixou em coma.

A venda de propriedades, especula a comunicação social inglesa, poderá ter que ver com problemas financeiros, embora a fortuna de Schumacher esteja avaliada em cerca de 750 milhões de euros. Já aquela revista alemã refere que a venda das casas e do avião do marido tem que ver com o facto de o estado de saúde de Schumacher não apresentar melhoras e, desta forma, não poderem usufruir das suas propriedades."Quando ficou explícito que ele nunca mais será o mesmo, Corinna aceitou a sua nova vida e começou a agir", diz a Bunte, acrescentando: "Ela sofreu uma transformação notável: Deixou de ser apenas sua mulher para passar a ser líder de família".

As mais recentes notícias sobre Schumacher foram dadas há dias por Sabine Kehm,o representante da família, que garantiu que o seu estado de saúde apresentava algumas melhoras. "Será um caminho grande", terminou. O piloto tem estado, ao longo dos últimos meses, na sua casa na Suíça, onde é permanentemente acompanhado por uma equipa de médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.