Morte de Joan Rivers vai permanecer um mistério

A filha da comediante pediu para que não fosse realizada a autópsia. As autoridades têm que respeitar esta vontade já que não há suspeita de crime.

O site TMZ avançou que o alegado resultado da autópsia a Joan Rivers, que morreu dia 4 de setembro, divulgado na passada semana não corresponde à verdade. O Hollywood Report publicou que a equipa de médicos legistas haviam concluído que a apresentadora e comediante morrera devido à falta de oxigénio no cérebro decorrente de complicações durante a cirurgia a que foi sujeita às cordas vocais.

Agora, o site TMZ vem esclarecer que é na declaração de óbito de Joan Rivers que está inscrita a "privação de oxigénio seguida de dano cerebral irreversível" e não como resultado de uma autópsia.

Sem a autópsia não se poderá apurar se a paragem respiratória foi decorrente de um erro médico durante a cirurgia. Contudo, Melissa Rivers, filha de Joan, não deu autorização para que o corpo da mãe fosse autopsiado, vontade que foi respeitada já que as autorizadades só poderão ir contra a vontade da família em caso de suspeita de crime.

Contudo, a equipa médica que assistiu Joan Rivers está a ser alvo de uma investigação que pretende determinar se existiu alguma falha durante os procedimentos clínicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.