Morreu o filho de Judite Sousa

André Sousa Bessa estava internado desde sábado na unidade de cuidados intensivos do Hospital Garcia de Orta, em Almada. O analista não resistiu às consequências de queda numa piscina.

O filho de Judite Sousa, que na madrugada de sábado sofreu um acidente numa piscina, morreu este domingo no Hospital Garcia de Orta, na Margem Sul do Tejo. André Sousa Bessa tinha 29 anos, era filho da jornalista e diretora adjunta de Informação da TVI e de Pedro Bessa, que integra a administração do Centro de Produção do Norte da RTP.

A notícia da morte do filho de Judite Sousa foi comunicada às 18.30 desde domingo por José Alberto Carvalho, no Hospital Garcia de Orta. Num comunicado, em nome de Judite Sousa e de Pedro Bessa, agradeceu-se o apoio de familiares e amigos e pediu-se respeito pela privacidade "neste momento de dor".

Em nota enviada à comunicação social, o Hospital Garcia de Orta informou que André Sousa Bessa "foi vítima de paragem cardiorrespirtória, na sequência de várias lesões internas". "André Sousa Bessa esteve mais de 24 horas ventilado, na unidade de cuidados intensivos, em coma não reativo", lê-se na nota enviada às redações.

André Sousa Bessa terá sofrido uma queda numa festa numa moradia particular, em Picheleiros, perto de Azeitão, e caído a uma piscina, onde terá permanecido cerca de 15 minutos submerso, tendo sofrido um traumatismo craniano e paragem cardíaca. Formado em Direito e analista de capitais de risco na Menlo Capital, foi transportado primeiramente para as urgências do Hospital de São Bernardo, em Setúbal. No entanto, a gravidade da situação obrigou a que fosse transferido para o Hospital Garcia de Orta, tendo estado em coma profundo e ligado a máquina de suporte de vida.

Durante o dia de sábado e este domingo, muitos foram os familiares e amigos de Judite Sousa e do filho que se deslocaram ao hospital para manifestar o seu apoio, entre os quais Miguel Relvas, José Eduardo Moniz, Fátima Campos Ferreira, José Alberto Carvalho, Joaquim Oliveira, Marques Mendes, Felipa Garnel e Rita Marrafa de Carvalho.

A jornalista, de 53 anos, nunca escondeu que o filho sempre foi a figura central da sua vida. "Sou uma mãe de um único filho, em quem centralizei os meus sonhos de menina", afirmou Judite Sousa em entrevista à revista Notícias TV em fevereiro passado. Já em setembro de 2013, aquando o lançamento do seu livro sobre Álvaro Cunhal, Álvaro, Eugénia e Ana, a diretora adjunta de Informação da TVI emocionou-se ao falar de André: "O meu filho é o homem da minha vida. É o único homem que nunca me desiludiu".

Desde que se soube do acidente de André Sousa Bessa que o apoio a Judite Sousa não tem parado nas redes sociais, com colegas e profissionais do pequeno ecrã a deixarem mensagen, bem como com a criação de uma página no Facebook "dedicada a todos aqueles que admiram e valorizam a jornalista". Entretanto, o perfil, nesta rede social, de André Sousa Bessa foi eliminado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.