Morreu o filho de Judite Sousa

André Sousa Bessa estava internado desde sábado na unidade de cuidados intensivos do Hospital Garcia de Orta, em Almada. O analista não resistiu às consequências de queda numa piscina.

O filho de Judite Sousa, que na madrugada de sábado sofreu um acidente numa piscina, morreu este domingo no Hospital Garcia de Orta, na Margem Sul do Tejo. André Sousa Bessa tinha 29 anos, era filho da jornalista e diretora adjunta de Informação da TVI e de Pedro Bessa, que integra a administração do Centro de Produção do Norte da RTP.

A notícia da morte do filho de Judite Sousa foi comunicada às 18.30 desde domingo por José Alberto Carvalho, no Hospital Garcia de Orta. Num comunicado, em nome de Judite Sousa e de Pedro Bessa, agradeceu-se o apoio de familiares e amigos e pediu-se respeito pela privacidade "neste momento de dor".

Em nota enviada à comunicação social, o Hospital Garcia de Orta informou que André Sousa Bessa "foi vítima de paragem cardiorrespirtória, na sequência de várias lesões internas". "André Sousa Bessa esteve mais de 24 horas ventilado, na unidade de cuidados intensivos, em coma não reativo", lê-se na nota enviada às redações.

André Sousa Bessa terá sofrido uma queda numa festa numa moradia particular, em Picheleiros, perto de Azeitão, e caído a uma piscina, onde terá permanecido cerca de 15 minutos submerso, tendo sofrido um traumatismo craniano e paragem cardíaca. Formado em Direito e analista de capitais de risco na Menlo Capital, foi transportado primeiramente para as urgências do Hospital de São Bernardo, em Setúbal. No entanto, a gravidade da situação obrigou a que fosse transferido para o Hospital Garcia de Orta, tendo estado em coma profundo e ligado a máquina de suporte de vida.

Durante o dia de sábado e este domingo, muitos foram os familiares e amigos de Judite Sousa e do filho que se deslocaram ao hospital para manifestar o seu apoio, entre os quais Miguel Relvas, José Eduardo Moniz, Fátima Campos Ferreira, José Alberto Carvalho, Joaquim Oliveira, Marques Mendes, Felipa Garnel e Rita Marrafa de Carvalho.

A jornalista, de 53 anos, nunca escondeu que o filho sempre foi a figura central da sua vida. "Sou uma mãe de um único filho, em quem centralizei os meus sonhos de menina", afirmou Judite Sousa em entrevista à revista Notícias TV em fevereiro passado. Já em setembro de 2013, aquando o lançamento do seu livro sobre Álvaro Cunhal, Álvaro, Eugénia e Ana, a diretora adjunta de Informação da TVI emocionou-se ao falar de André: "O meu filho é o homem da minha vida. É o único homem que nunca me desiludiu".

Desde que se soube do acidente de André Sousa Bessa que o apoio a Judite Sousa não tem parado nas redes sociais, com colegas e profissionais do pequeno ecrã a deixarem mensagen, bem como com a criação de uma página no Facebook "dedicada a todos aqueles que admiram e valorizam a jornalista". Entretanto, o perfil, nesta rede social, de André Sousa Bessa foi eliminado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.