Michele Obama parece uma "apresentadora de noticários"

O estilista Karl Lagerfeld não tem papas na língua quando não gosta do visual de uma pessoa. A primeira-dama dos EUA foi a sua mais recente 'vítima'.

"Adoro a 'Madame' Obama, mas parece uma apresentadora de noticiários". Foi esta a reação de Karl Lagerfeld ao jornal Daily Mail, quando convidado a avaliar o novo corte de cabelo da mulher de Barack Obama. "Não entendo a mudança de corte de cabelo. Francamente, a franja foi uma má ideia", acrescentou o estilista.

Michelle Obama é o terceiro alvo dos comentários sem papas na língua de Lagerfeld. No passado, o estilista já tinha criticado a cantora Adele, que acusou de estar "um pouco gorda", e de ter dito que não gostava da cara de Pippa Middleton, acrescentando que a irmã de Kate Middleton "devia mostrar-se apenas de costas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."