Madonna junta-se às vozes contra Dolce & Gabanna

Nas redes sociais, a cantora norte-americana publicou uma imagem de uma campanha que protagonizou em 2010 para a marca italiana e mostrou que também está contra as declarações da dupla de estilistas

Chegou a vez de Madonna dizer o que pensa sobre Domenico Dolce e Stefano Gabbana rejeitarem pais do mesmo sexo e chamarem de "sintéticas" as crianças concebidas através de fertilização in vitro. Para o fazer, a cantora norte-americana publicou no Instagram a imagem de uma campanha que protagonizou em 2010, juntamente com um bebé, para a dupla de estilistas italianos.

"Todos os bebés contêm uma alma, como quer que cheguem a este planeta e às suas famílias. Não há nada de sintético numa alma! Como é que podemos desprezar a fertilização in vitro e as barrigas de aluguer? Todas as almas nos chegam para nos ensinarem alguma coisa. Deus tem a sua mão em tudo, mesmo na tecnologia! Somos arrogantes ao pensarmos que o Homem faz tudo por si. Pensem antes de falar", escreveu Madonna como legenda da fotografia.

A primeira figura pública a manifestar-se contra as afirmações que Dolce e Gabanna fizeram em entrevista à revista italiana Panorama foi Elton John, que tem dois filhos com o marido, David Furnish, através de fertilização in-vitro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.