Kurt Cobain teve adolescência ligada à homossexualidade

Uma entrevista nunca antes publicada, datada de julho de 1993, chegou agora ao público e revelou que o falecido líder dos Nirvana, nos seus anos de juventude, pensava que era gay.

Foi em julho de 1993, menos de um ano antes de Kurt Cobain ter-se suicidado, que o jornalista Jon Savage se sentou com ele à conversa em Nova Iorque. Essas declarações foram agora desenterradas pela emissora norte-americana PBS e divulgadas no youtube.

"Até eu pensava que era gay. Eu pensava que essa poderia ser a solução para o meu problema [de sentir-se isolado]", confessou Cobain, depois de ter assegurado que era mal-tratado pelos colegas do liceu.

"Apesar de nunca ter tido essa experiência, tinha um amigo gay e a minha mãe não queria que eu fosse amigo dele, porque ela era homofóbica. Foi mesmo devastador porque eu tinha finalmente encontrado um rapaz que eu abraçava e a quem me tinha apegado, e falávamos de imensas coisas", sublinhou.

Também numa entrevista dada ao jornal The Advocate, em 1993, o cantor frisou que era "gay em espírito" e que, provavelmente, "era bissexual". Mais tarde, num caderno no qual Kurt escreveu os seus pensamentos mais profundos, foi encontrada a seguinte frase: "Não sou gay, mas desejava ser, só para chatear os homofóbicos".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.