Julianne Moore já tem nome gravado no Passeio da Fama

Aos 52 anos, e com uma longa carreira cinematográfica, Julianne Moore tornou-se na 2507.ª pessoa a conquistar uma estrela no Passeio da Fama de Hollywood.

"Não é algo que eu tivesse previsto que me acontecesse, ser incluída nesta extraordinária comunidade de estrelas de cinema. É realmente um sonho", assinalou a atriz durante a cerimónia de aceitação deste reconhecimento, que decorreu na quinta-feira.

Ao lado de Moore, que posou para as câmaras com um vestido amarelo da Dolce & Gabbana, estiveram o seu colega de elenco do filme Don Jon, Joseph Gordon Levitt, e a também protagonista de Carrie, Chloe Moretz.

Julianne Moore já conta com 30 anos de carreira, ao longo dos quais conquistou, entre outros, quatro nomeações para os Óscares, dois prémios Emmy, um Globo de Ouro e um prémio de melhor atriz do Festival Internacional de Veneza. Carrie, o próximo filme da atriz a chegar aos ecrãs, tem estreia marcada para o dia 31 de outubro em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.