Jane Fonda tem medo do "pouco tempo" que lhe resta

A atriz, de 76 anos, confessou num blogue que se sente uma mulher cada vez mais emotiva e que tem receio de envelhecer e de morrer.

"Como é que as pequenas coisas, gestos carinhosos, histórias comoventes, atos de coragem, boas notícias, momentos de introspeção, todas me deixam a chorar ou, pelo menos, à beira das lágrimas?", começou por escrever Fonda no blogue Crying.

"Sinto que as minhas emoções são mais acessíveis do que eram quando eu era mais nova e acho que tem a ver com a idade. Tornei-me maravilhosa e terrivelmente consciente do tempo, do pouco que ainda me resta. Talvez, sem eu estar consciente disso, daqui a poucas décadas, se tiver sorte, vou estar na terra a fertilizar algumas das coisas para as quais olho agora", acrescentou.

A atriz já conta com uma carreira com mais de 50 anos, ao longo dos quais conquistou um Óscar e vários Globos de Ouro. Pelo caminho, teve três casamentos, lutou pelos direitos humanos e venceu um cancro da mama.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.