Glenn Close revela que cresceu numa seita religiosa

A atriz contou que entre os 7 e os 22 anos viveu sob a influência dos desígnios de um grupo reliogioso radical: "Basicamente não nos permitiam fazer nada".

A atriz Glenn Close contou, em entrevista ao Hollywood Reporter, que quando tinha 7 anos o pai, um médico formado em Havard, decidiu juntar-se ao Moral Re-Armament (MRA), fundado em 1930 e que pregada os "quatro aboslutos: honestidade, pureza, altruísmo e amor". Contudo, estes princípios mascaravam regras rigidos de comportamento baseados no controlo da vida dos que nela estavam inscritos.

"Basicamente não nos permitiam fazer nada, ou faziam sentir-te culpado por qualquer desejo anti natural. Se só falavas com alguém que te diz como viver e como deves sentir, desde que tens 7 anos até aos 22, isso deixa-te marcas profundas".

A atriz, que já consquistou 11 vezes o Globo de Ouro e foi noemada seis vezes para o Óscar de melhor atriz, sustenta que as marcas desta vivência foram profundas e que lhe custaram muitos anos de terapia.

Ler mais

Exclusivos