George Clooney planeia casar-se em Veneza

O ator e a sua noiva, a advogada Amal Alamuddin, estiveram na cidade italiana em maio a analisar possíveis locais para realizar a cerimónia, prevista para setembro.

George Clooney e Amal Alamuddin elegeram Veneza como palco do seu casamento, avançou esta semana o New York Post. O casal esteve na cidade flutuante no final de maio a visitar possíveis locais para a boda, tendo já descartado a propriedade do ator no Lago de Como, devido à inconveniência que traria para a vizinhança.

"Eles querem casar-se em Itália, mas precisam de um sítio que lhes ofereça a eles e aos seus convidados privacidade", adiantou uma fonte ao jornal, revelando que Clooney quer dar o nó precisamente um ano após ter conhecido a sua cara-metade. A cerimónia será em setembro, mas o dia não é ainda conhecido.

O ator, 53 anos, e a advogada britânica de direitos humanos, 36, começaram a namorar em outubro do ano passado. O noivado foi tornado público em abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.