Família e amigos recordam André no último adeus

Cerca de duas centenas de pessoas estiveram, esta terça-feira, nas cerimónias fúnebres do filho único de Judite Sousa e de Pedro Bessa.

Os governantes Paula Teixeira da Cruz e Carlos Moedas, o líder da oposição António José Seguro, o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, a líder parlamentar do PS Maria de Belém Roseira, o porta-voz do PSD Marco António, Miguel Relvas, Fernando Seara e Marcelo Rebelo de Sousa foram algumas das personalidades que mostraram o seu carinho pela jornalista da TVI e respetiva família, na missa de corpo presente de André Sousa Bessa.

O jovem, de 29 anos, que morreu este domingo (vítima de uma paragem cardiorrespiratória, na sequência de várias lesões internas, após um acidente numa piscina), foi ainda recordado com emoção pelos amigos e família, que lembraram o seu "jeito descontraído e sentido de humor", durante a missa dirigida pelo Padre Alberto Souza, na Igreja do Colégio São João de Brito.

Filho único de Judite Sousa (que foi amparada pelos pais, durante a cerimónia) e de Pedro Bessa, André era analista financeiro.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.