Exames confirmam suicídio de irmã de Júlia Roberts

Três meses depois de ter sido encontrada morta na banheira, exames confirmam que Nancy Motes, meia-irmã da atriz Julia Roberts, ter-se-á suicidado. Estes são os resultados divulgados pelos entidades forenses de Los Angeles.

A hipótese de morte por afogamento de Nancy Motes, de 37 anos, após overdose foi deitada por terra depois de os exames toxicológicos terem dado resultado positivo a consumo de várias substâncias. Estes resultados,avançados pelo Los Angeles County Coroner e que serão detalhados no final deste mês, revelará fármacos que tenham sido ingeridos pela meia-irmã de Julia Roberts, que apareceu morta na banheira a 9 de fevereiro.

"Quero que toda a gente saiba que ela não era toxicodependente e este relatório forense é prova disso mesmo. No entanto, estou a sofrer e este é um dos piores pesadelos que se se possa imaginar", assegurou o namorado de Nancy Motes, John Dilbeck, ao jornal New York Daily News, que reagiu ao facto de Julia Roberts ter declarado que a meia-irmã, produtora executiva na série Glee, tinha morrido de overdose. "Isto é a prova de que Julia estava a manipular a verdade relativamente ao que aconteceu, ela persistia que se tinha tratado apenas de uma overdose", declarou Dilbeck, que não foi convidado a estar presente nas cerimónias fúnebres de Nancy, que decorrem a 3 de maio.

Segundo o que tem vindo a público nos últimos meses, a relação entre Julia e Nancy era difícil e tinha vindo a piorar nos últimos meses Porém, a atriz de Pretty Woman declarou recentemente ao Wall Street Journal que o desaparecimento de Nancy lhe tinha "partido o coração". "Não queremos que nada de mal aconteça, mas há tantas coisas trágicas, dolorosas e inexplicáveis no mundo", afirmou Roberts.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.