Exames confirmam suicídio de irmã de Júlia Roberts

Três meses depois de ter sido encontrada morta na banheira, exames confirmam que Nancy Motes, meia-irmã da atriz Julia Roberts, ter-se-á suicidado. Estes são os resultados divulgados pelos entidades forenses de Los Angeles.

A hipótese de morte por afogamento de Nancy Motes, de 37 anos, após overdose foi deitada por terra depois de os exames toxicológicos terem dado resultado positivo a consumo de várias substâncias. Estes resultados,avançados pelo Los Angeles County Coroner e que serão detalhados no final deste mês, revelará fármacos que tenham sido ingeridos pela meia-irmã de Julia Roberts, que apareceu morta na banheira a 9 de fevereiro.

"Quero que toda a gente saiba que ela não era toxicodependente e este relatório forense é prova disso mesmo. No entanto, estou a sofrer e este é um dos piores pesadelos que se se possa imaginar", assegurou o namorado de Nancy Motes, John Dilbeck, ao jornal New York Daily News, que reagiu ao facto de Julia Roberts ter declarado que a meia-irmã, produtora executiva na série Glee, tinha morrido de overdose. "Isto é a prova de que Julia estava a manipular a verdade relativamente ao que aconteceu, ela persistia que se tinha tratado apenas de uma overdose", declarou Dilbeck, que não foi convidado a estar presente nas cerimónias fúnebres de Nancy, que decorrem a 3 de maio.

Segundo o que tem vindo a público nos últimos meses, a relação entre Julia e Nancy era difícil e tinha vindo a piorar nos últimos meses Porém, a atriz de Pretty Woman declarou recentemente ao Wall Street Journal que o desaparecimento de Nancy lhe tinha "partido o coração". "Não queremos que nada de mal aconteça, mas há tantas coisas trágicas, dolorosas e inexplicáveis no mundo", afirmou Roberts.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.