Elton John diz que Jesus apoiaria casamento gay

A alguns meses de trocar alianças com o cineasta David Furnish, o músico confessou acreditar na aprovação de Jesus Cristo e elogiou a "humanidade" do Papa Francisco.

"Se Jesus Cristo fosse vivo, não acredito que, enquanto cristão e pessoa maravilhosa que ele era, diria que isto [casamento homossexual] não poderia acontecer. Ele acreditava no amor, na compaixão, no perdão, na tentativa de juntar as pessoas e é assim que a igreja deveria ser", defendeu Elton John, em entrevista ao canal norte-americano Sky News.

Sobre o atual estado da religião, o cantor, de 67 anos, limitou-se a elogiar o trabalho do Papa Francisco. "Ele entusiasma-me imenso com a sua humanidade. Ele resume tudo à humildade e à fé", sublinhou.

Ainda no que toca à aceitação da união homossexual, Elton John revelou querer conversar com presidente russo Vladimir Putin para que ele "enterre de vez" a sua campanha contra os direitos dos homossexuais. "Vou à Rússia em novembro e vou tentar falar com ele. É necessário construir uma ponte. A única forma de resolver conflitos é conversar", explicou.

O músico e o cineasta David Furnish estão juntos há 21 anos, mantendo uma união civil desde 2005. Têm dois filhos, Zachary, 3 anos, e Elijah, 1 ano, fruto da mesma barriga de aluguer. O casamento religioso está previsto para o próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.