David Beckham já tem estátua... em cuecas!

O futebolista inglês é o rosto da nova colecção de roupa interior da H&M. Para assinalar o lançamento da linha, a marca decidiu espalhar estátuas em Nova Iorque, São Francisco e Los Angeles.

Chamavam-lhe de Goldenball (Bola de Ouro) nos tempos maior êxito da sua carreira, mas agora, os fãs do jogador podem vê-lo em versão prateada. Numa altura em que lança uma nova colecção de roupa interior, a marca H&M decidiu levar David Beckham, 37 anos, ao encontro dos americanos.

Colocou em diversos pontos das cidades de Nova Iorque, Los Angeles e São Francisco estátuas do craque, em tons de prateado, apenas de roupa interior. Quem por lá passar tem a oportunidade de tirar fotografias com as réplicas do jogador que, posteriormente, podem ser visualizadas numa página da Internet criada especificamente para a partilha dessas imagens.

David Bekcham mostrou as fotos promocionais na sua página oficial na rede social Facebook e já recebeu vários elogios dos seus seguidores. "Com estas imagens quero expressar a força e a qualidade da coleção David Beckham Bodywear e também o conforto das suas formas. Adoro esta linha de artigos e sinto-me confortável com qualquer uma das peças", escreveu o atleta que é casado com a ex-Spice Girl Victoria Beckham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.