Barack Obama apoia Alejandro Sanz na luta pelo Ártico

Enquanto embaixador da Greenpeace, o cantor enviou uma carta ao presidente dos EUA com o objetivo de mobilizar forças para proteger a região polar. Obama respondeu e reconheceu a importância da iniciativa.

"Chegou o momento. A grande notícia que tenho a dar-vos é que o Presidente Obama respondeu à minha carta reconhecendo a necessidade de proteger o Ártico e tomar medidas", anunciou o músico na sua página do Twitter.

O chefe de estado norte-americano recebeu a notificação de Sainz em setembro mas só agora teve oportunidade para responder. E o artista fez questão de partilhar as suas palavras nas redes sociais: "Reconheço que o Ártico desempenha um papel crítico nos nossos esforços para agir contra as alterações climáticas", sublinhou Obama, frisando que "todos somos parte da sua proteção e conservação".

O artista, que apoia os esforços da Greenpeace através da iniciativa "Salvem o Ártico", decidiu dar a cara pela iniciativa depois de ter viajado até à Gronelândia, no verão passado, para ver de perto o fenómeno do degelo e as suas consequências.

Pilar Marcos, responsável da organização não-governamental, também já manifestou a sua satisfação com o envolvimento de Barack Obama. "Este é o momento de converter-se num líder mundial para proteger o legado das gerações futuras, como se comprometeu no início do seu mandato. O primeiro passo é fechar o Ártico norte-americano ao petróleo", defendeu.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.