Ator Nuno Melo luta contra o cancro

Aos 55 anos, o ator luta contra um tumor no fígado. Está internado há duas semanas num hospital em Lisboa e aguarda um transplante.

Ausente dos ecrãs desde o ano passado, quando terminou as gravações da novela O Beijo do Escorpião, Nuno Melo luta agora contra um cancro no fígado. A informação é avançada pela edição desta semana da revista VIP.

"Soube que a situação era grave há um mês, 15 dias antes de ser internado. Houve um choque inicial, nada positivo, em que fiquei assustado, mas agora, emocionalmente, estou noutra fase. É um assunto delicado. Não deixo de estar numa situação grave, mas há pessoas piores do que eu. E sabia que normalmente a hepatite tem este desenvolvimento", refere o ator à publicação.

Por esta altura, Nuno Melo está a tentar "baixar os valores da icterícia" para posteriormente se candidatar a um transplante. "Para já não vou fazer quimioterapia, nem radioterapia, porque não vale a pena. O fígado tem de ir para o lixo", afirma ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.