Ator de 'Prison Break' recusa ir à Rússia por ser 'gay'

Wentworth Miller foi convidado a marcar presença no Festival Internacional de Cinema de São Petersburgo. O ator enviou uma carta a recusar a proposta por não gostar da forma como tratam os gays na Rússia.

"Como homem gay, devo recusar", escreveu o protagonista da série Prison Break numa carta dirigida aos responsáveis pelo evento e cujo conteúdo foi publicado na página online da organização GLAAD, que luta pelos direitos de homossexuais, lésbicas e transexuais.

Na sua resposta, Miller foi ainda mais longe e criticou a mentalidade russa relativamente à sua orientação sexual: "Estou profundamente perturbado com o tratamento que é dado aos homens e mulheres gays pelo governo russo. A situação não é aceitável e eu não posso participar numa celebração organizada por um país onde pessoas como eu têm negados os seus direitos de viver e amar abertamente", vincou, indignado.

O ator que encarnou Michael Scofield na série da Fox, transmitida entre 2005 e 2009, não descartou por completo vir a participar em futuras edições do festival, se a atitude russa face aos homossexuais mudar.

Note-se que há vários anos que circulam boatos acerca da orientação sexual de Wentworth mas só agora foram confirmados.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.