Alexandra Lencastre celebra 50 anos e 30 de carreira em palco

A atriz assinala hoje dois aniversários especiais, com a peça "Plaza Suite". Saiba o que os amigos e familiares têm a dizer sobre ela.

"Brilhante", "talentosa", "linda", "generosa", "trabalhadora", "diva". Quando se fala de Alexandra Lencastre, os elogios parecem não abrandar. Hoje, a atriz assinala 50 anos de vida e 30 de carreira, uma ocasião que celebra no Teatro Tivoli com a peça Plaza Suite, ao lado de Diogo Infante.

Na noite de quarta-feira, quando subiu àquele palco lisboeta pela primeira vez em cinco anos, contou com os aplausos dos familiares, amigos e colegas mais próximos. Entre eles estava José Carlos Pereira, um dos rostos da TVI com quem já contracenou mais vezes. "Amo-a muito. Podemos não falar há algum tempo pelo trabalho exaustivo que ela está a ter, mas ela sabe que estamos ligados e que continuaremos ligados para sempre na nossa vida", frisou o ator.

José Eduardo Moniz, consultor para a área da ficção do canal de Queluz de Baixo, não perdeu a oportunidade de aplaudir de pé uma das suas maiores estrelas. "Fico muito satisfeito por ver a Alexandra pisar novamente um palco. Ela que é uma mulher sempre cheia de receios e inseguranças demonstrou aqui que não há razão nenhuma para que isso aconteça. Ela é assim em todas as situações, diz que não vai conseguir, que é demais para ela, mas sempre conseguiu fazer tudo e fazer bem", realçou o responsável.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.