Diogo Morgado: "O país está um bocadinho do avesso"

A viver nos EUA, onde está a gravar participação numa série televisiva da CBS, o ator português, 34 anos, encontra-se em Portugal a promover o filme 'Virados do Avesso'.

"Há, de facto, várias comédias a acontecer no nosso país. Fiquei doido quando ouvi dizer que um ex-primeiro ministro [José Sócrates] está preso. Como é que nós vamos conseguir competir com uma comédia destas?", ironizou Diogo Morgado, que protagoniza a comédia portuguesa Virados do Avesso, e está desde ontem em Portugal.

O ator português, que se tornou conhecido como Hot Jesus ao interpretar, em 2012, Jesus Cristos na série de televisão A Bíblia, do Canal História, fez uma pausa nas gravações da série The Messengers, que estão a decorrer nos EUA para se deslocar até Lisboa. "Vou ficar cá por muito pouco tempo, vão ser apenas quatro dias. Estou no meio da rodagem da série, assim que acabar a promoção do Virados do Avesso volto para os EUA", afirmou à margem do cocktail de apresentação do filme realizado por Edgar Pêra, que decorreu ontem à noite, em Belém.

Diogo Morgado garante que os portugueses vão divertir-se durante o visionamento do filme. "O país está um bocadinho do avesso. Estamos todos a precisar de uma pausa e de nos rirmos um pouco. A única diferença é que esta comédia dá-nos vontade de rir, a outra dá-nos vontade de chorar", disse o ator que dá vida a um escritor que se esquece que é gay e se transforma num heterossexual.

Também Jorge Corrula, que na trama faz par romântico com Diogo Morgado, garantiu que Virados do Avesso vai despertar o riso entre o público. "Não tenho dúvidas de que durante hora e meia quem for ver o filme vai esquecer o estado do país. Mas é bom que não esqueçam! (risos)", disse a rir-se.
Por sua vez, o consagrado ator e realizador Nicolau Breyner, que integra igualmente o elenco do filme, garantiu: "É mais uma aventura. É um filme que é um ato de coragem. É uma comédia pura e dura, é tão somente um exercício de divertimento".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.