Morreu a atriz brasileira Tereza Rachel

Foi vilã em várias telenovelas da Globo, numa carreira que se começou no teatro e passou também pelo cinema

A atriz brasileira Tereza Rachel morreu este sábado, aos 82 anos, no Rio de janeiro. Para o público de televisão, a atriz é conhecida por personagens marcantes, sobretudo vilãs, como Clô Hayalla da primeira versão de "O Astro" ou Renata Dumont de "Louco Amor". Mas Tereza Rachel era também produtora de teatro.

A atriz nasceu em 1934 na cidade de Nilópolis, Rio de Janeiro, com o nome de Teresinha Malka Brandwain. Começou a carreira no teatro ainda nos anos 50 do século passado e a paixão pelos palcos manteve-se ao longo de toda a vida, tendo fundado uma companhia na década de 70 e produzido várias peças.

Ficou conhecida do grande público através do seu trabalho na Globo, com participações em "O Astro" (1978), "Baila comigo" (1981), "Louco Amor" (1983) e "Que rei sou eu?" (1989). O seu último trabalho na televisão foi uma participação especial como Mary Poppins, em "Babilônia", no ano passado.

A carreira de Tereza Rachel passou ainda pelo cinema, tendo participado numa dezena de filmes.

A atriz estava internada desde ano passado devido a complicações de uma obstrução intestinal. Morreu no sábado, num hospital em Copacabana.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...