Mira Sorvino pede desculpa por ter trabalhado com Woody Allen

Atriz, que ganhou um Óscar com "Poderosa Afrodite", garante que não voltará a trabalhar com o realizador

A atriz Mira Sorvino escreveu uma carta aberta a Dylan Farrow, a filha adotiva de Woody Allen que o acusa de abuso sexual, pedindo desculpa por ter trabalhado com o realizador e garantindo que não voltará a fazê-lo.

"Não consigo imaginar como te deves ter sentido, todos estes anos, a ver alguém que acusaste de te ter magoado quando eras criança, uma criança vulnerável que estava ao seu cuidado, ser louvado uma e outra vez, incluindo por mim e tantos outros em Hollywood que o elogiaram enquanto te ignoravam", escreve a atriz. "Como mãe e como mulher isto parte-me o coração. Lamento tanto, tanto", escreve a atriz, no texto publicado no Huffington Post.

Mira Sorvino foi a protagonista de Poderosa Afrodite, filme de 1995 realizado por Woody Allen, que lhe valeu um óscar.

Sorvino foi uma das mulheres que falaram da sua experiência com Harvey Weinstein a Ronan Farrow, o jornalista autor de um dos trabalhos que trouxeram a público o comportamento abusivo do poderoso produtor de Hollywood, e que é irmão de Dylan Farrow. "Ele encaminhou-me para detalhes públicos da história de que eu não tinha conhecimento e que me fizeram começar a sentir que as evidências suportavam a tua história, que estiveste sempre a dizer a verdade", escreve ainda Sorvino na carta.

Dylan Farrow respondeu entretanto, com um tweet em que se disse esmagada pela "lindíssima" carta.

Mira Sorvino não é a primeira a vir afirmar publicamente que lamenta ter trabalhado com Allen e que não o voltará a fazer. Ellen Page já o tinha feito o ano passado. David Krumholtz e Greta Gerwig também já fizeram o mesmo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.