Madonna terá já encontrado um palácio para viver na capital portuguesa

O Palácio Ramalhete, do século XVIII, funciona como unidade hoteleira e inclui 16 quartos e uma piscina aquecida com vista sobre o rio Tejo

Depois de muitos meses em busca do lar perfeito, a procura de Madonna poderá ter chegado ao fim. A cantora, que tem vivido no hotel Pestana Palace, na Ajuda, desde o final do verão, terá finalmente encontrado uma casa à sua medida.

O Palácio Ramalhete localiza-se na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa, e é um hotel com uma pontuação de 8,8 no Booking.com. Foi construído no século XVIII e tem 16 quartos, "azulejos autênticos em cerâmica" e uma piscina aquecida com direito a uma vista sobre o rio Tejo.

A cantora norte-americana terá arrendado o edifício durante um ano, avança esta segunda-feira uma revista semanal.

Fonte do hotel confirmou ao DN que o palácio vai estar indisponível para reservas, mas referiu apenas a necessidade de realizar obras: "É um palacete antigo, é normal que haja obras".

A celebridade está a viver em Portugal há vários meses e, ainda que esteja encantada com a capital portuguesa, não esconde a sua frustração em encontrar uma casa para viver. Publicou mesmo no Instagram, em meados de setembro, uma fotografia com a seguinte descrição: "Porque procurar casa em Lisboa pode fazer-te sentir assim...".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.