Jon Snow deu o nó! Elenco de "Guerra dos Tronos" reuniu-se para a boda

Os atores Kit Harington e Rose Leslie casaram-se este sábado num castelo, na Escócia

Começaram por ser amantes na ficção, mas depressa a paixão que interpretavam tornou-se real. Kit Harington e Rose Leslie, que se conheceram nos papéis de Jon Snow e Ygritte, da série de culto "Guerra dos Tronos", casaram-se este sábado um castelo na Escócia, depois de sete anos de namoro.

Depois de lhe ter dito "You don't know nothing, Jon snow" - não sabes nada, Jon Snow - na série, Rose disse-lhe que "sim" na vida real, no altar da Rayne Church, em Aberdeenshire, a sua terra natal. A noiva de 31 anos chegou de braço dado com o pai, Sebastian Leslie, que vestiu o típico kilt escocês.

O casal conheceu-se em 2012, durante as filmagens da série na Islândia. Quatro anos volvidos, em 2016, fizeram a primeira aparição pública enquanto casal. No ano seguinte, anunciaram o noivado no jornal The Times .

"Tu és meu. Meu, como eu sou teu", juraram.

Sábado foi a cerimónia à qual compareceu grande parte do elenco de GoT. E, se na série da HBO quase todos os casamentos acabam terrivelmente mal (recorde-se a cena do Casamento Vermelho), no de Kit Harington e Rose Leslie houve um final feliz.

À saída da Igreja, os convidados lançaram flores sobre os recém-casados, que não escondiam a felicidade que viviam.

Os noivos saíram do casamento num Defender

Boa parte do elenco da série da série marcou presença. Emilia Clarke, Peter Dinklage, Maisie Williams, Malin Akerman, Jack Donnelly e Sophie Turner não faltaram à festa que, depois da cerimónia religiosa seguiu para o castelo de Wardhill, propriedade centenária da família da atriz.

Segundo a imprensa internacional, Harington e Leslie convidaram cerca de 200 pessoas para a cerimónia. A festa ainda foi animada pela banda britânica Mumford and Sons.

A oitava e última temporada da série irá chegar ao pequeno ecrã em 2019 e vai contar apenas com seis episódios.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.