Documentário revela que Whitney foi abusada sexualmente pela prima

Novo documentário sobre a artista estreou ontem em Cannes e faz novas revelações

"Whitney", um documentário do realizador escocês Kevin Macdonald, estreou esta quinta-feira no festival de Cannes e é descrito como a versão definitiva da vida da artista. O filme inclui entrevistas com familiares e amigos próximos da cantora que fazem uma revelação: Whitney Houston terá sido abusada sexualmente quando era criança por uma das suas primas, a cantora Dee Dee Warwick.

O meio-irmão da artista, o ex-jogador da NBA Gary Garland-Houston, alega que ele e a meia-irmã foram sexualmente abusados ​​por Warwick quando eram crianças, uma revelação que é corroborada pela assistente da cantora, Mary Jones (muitas vezes referida como "Tia Mary"), que contou que Houston referira ter sido "molestada quando era muito nova"" por uma mulher.

Whitney Houston morreu em 2012, aos 48 anos, vítima de afogamento numa banheira.

Dee Dee Warwick, a alegada agressora, era sobrinha da mãe de Houston, Cissy Houston, e irmã mais nova da cantora soul Dionne Warwick.

Apesar de ter alcançado algum sucesso como cantora de soul e gospel nos anos 60 e 70, a sua carreira foi ofuscada pelo sucesso da irmã. Dee Dee morreu em 2008, aos 63 anos.

O filme de Kevin Macdonald é o segundo documentário sobre Whtiney Houston em dois anos, depois do filme assinado por Nick Broomfield, em 2017, e intitulado "Whitney: Can I Be Me". Ao contrário do filme de Broomfield, "Whitney" foi realizado com o acordo dos familiares da cantora.

Além de mostrar cenas inéditas da artista, o filme inclui entrevistas com várias figuras importantes da vida e da carreira da cantora, incluindo o ex-marido Bobby Brown, o ator Kevin Costner, que contracenou com Whitney em "Bodyguard", e o homem que a descobriu, Clive Davis, fundador da Arista Records.


Além da história de abuso sexual envolvendo Dee Dee Warwick, o filme revela ainda que a cantora foi roubada pelo próprio pai, que processou a filha em 2002 devido a uma quebra de contrato.

O filme também analisa o casamento com Bobby Brown, os rumores sobre o seu relacionamento com a diretora criativa Robyn Crawford e ainda a difícil educação da filha do casal, Bobbi Kristina Brown.

"Whitney" chega aos cinemas do Reino Unido e dos EUA no dia 6 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.