Documentário revela que Whitney foi abusada sexualmente pela prima

Novo documentário sobre a artista estreou ontem em Cannes e faz novas revelações

"Whitney", um documentário do realizador escocês Kevin Macdonald, estreou esta quinta-feira no festival de Cannes e é descrito como a versão definitiva da vida da artista. O filme inclui entrevistas com familiares e amigos próximos da cantora que fazem uma revelação: Whitney Houston terá sido abusada sexualmente quando era criança por uma das suas primas, a cantora Dee Dee Warwick.

O meio-irmão da artista, o ex-jogador da NBA Gary Garland-Houston, alega que ele e a meia-irmã foram sexualmente abusados ​​por Warwick quando eram crianças, uma revelação que é corroborada pela assistente da cantora, Mary Jones (muitas vezes referida como "Tia Mary"), que contou que Houston referira ter sido "molestada quando era muito nova"" por uma mulher.

Whitney Houston morreu em 2012, aos 48 anos, vítima de afogamento numa banheira.

Dee Dee Warwick, a alegada agressora, era sobrinha da mãe de Houston, Cissy Houston, e irmã mais nova da cantora soul Dionne Warwick.

Apesar de ter alcançado algum sucesso como cantora de soul e gospel nos anos 60 e 70, a sua carreira foi ofuscada pelo sucesso da irmã. Dee Dee morreu em 2008, aos 63 anos.

O filme de Kevin Macdonald é o segundo documentário sobre Whtiney Houston em dois anos, depois do filme assinado por Nick Broomfield, em 2017, e intitulado "Whitney: Can I Be Me". Ao contrário do filme de Broomfield, "Whitney" foi realizado com o acordo dos familiares da cantora.

Além de mostrar cenas inéditas da artista, o filme inclui entrevistas com várias figuras importantes da vida e da carreira da cantora, incluindo o ex-marido Bobby Brown, o ator Kevin Costner, que contracenou com Whitney em "Bodyguard", e o homem que a descobriu, Clive Davis, fundador da Arista Records.


Além da história de abuso sexual envolvendo Dee Dee Warwick, o filme revela ainda que a cantora foi roubada pelo próprio pai, que processou a filha em 2002 devido a uma quebra de contrato.

O filme também analisa o casamento com Bobby Brown, os rumores sobre o seu relacionamento com a diretora criativa Robyn Crawford e ainda a difícil educação da filha do casal, Bobbi Kristina Brown.

"Whitney" chega aos cinemas do Reino Unido e dos EUA no dia 6 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.