Old Vic reúne 20 testemunhos de "comportamento inapropriado" de Kevin Spacey

Ator norte-americano foi diretor do teatro The Old Vic, em Londres, entre 2004 e 2015

O teatro The Old Vic, em Londres, reuniu testemunhos de 20 pessoas sobre o alegado "comportamento inapropriado" do ator norte-americano Kevin Spacey, que entre 2004 e 2015 foi diretor artístico daquela estrutura.

A notícia é avançada hoje por vários meios de comunicação social internacionais, que citam um comunicado divulgado pelo teatro londrino: "Durante o seu mandato, o The Old Vic estava numa posição única de ter ao seu leme uma estrela de Hollywood em torno da qual havia um culto de personalidade. A investigação permitiu perceber que o estrelato e o 'status' [de Kevin Spacey] podem ter levado as pessoas, e em particular os trabalhadores júnior e os jovens atores, a sentir que não podiam falar ou pedir ajuda", refere o comunicado, divulgado na página oficial do teatro.

A instituição considera o que aconteceu "claramente inaceitável" e pede "sinceras desculpas" por "não ter criado um ambiente, ou cultura, no qual as pessoas se sentissem livres para falar".

O The Old Vic decidiu iniciar uma investigação depois de terem vindo a público várias acusações de abuso sexual em relação a Kevin Spacey.

A instituição garante que, durante o mandato de Kevin Spacey, "não foram feitas queixas formais ou ocorreram disputas legais, nem foram firmados acordos ou feitos e autorizados pagamentos ao ator".

"Não foi possível verificar as alegações e é importante referir que Kevin Spacey não fez qualquer comentário sobre as mesmas. A investigação não pode, por isso, tirar conclusões de facto sobre a alegada má conduta [do ator]", lê-se no comunicado.

Na nota, o teatro, pede ainda "desculpas pelo que aconteceu, ou o que alegadamente aconteceu".

Segundo o The Guardian, o The Old Vic considerou 14 das alegações tão sérias que aconselhou os queixosos a levarem o assunto às autoridades policiais.

O teatro não revela detalhes dos alegados incidentes, exceto para garantir que nenhuma das pessoas ouvidas é menor de idade.

A primeira denúncia em relação a Kevin Spacey foi feita no final de outubro, quando o ator Anthony Rapp acusou Spacey de o ter assediado sexualmente numa festa em 1986, quando tinham, respetivamente, 14 anos e 26 anos.

Na sequência da acusação, Spacey assumiu a sua homossexualidade e garantiu que não se recordava do episódio relatado, apesar de ter dito que, se realmente aconteceu, devia "sinceras desculpas" a Rapp pelo seu comportamento.

Entretanto, no início de novembro, a plataforma de 'streaming' Netflix anunciou que não vai continuar com "House of Cards" enquanto a série o incluir, e que decidiu afastar-se do filme sobre o escritor norte-americano Gore Vidal, autor de obras como "Lincoln" ou "Império", que o ator acabou de gravar e que inicialmente ia ser emitido pela plataforma digital.

Segundo testemunhos recolhidos pelo The Hollywood Reporter, o guião da sexta e última temporada de "House of Cards" estava praticamente finalizado antes de o ator Anthony Rapp ter acusado Kevin Spacey de assédio sexual.

De acordo com a CNN, oito atuais e antigos funcionários de "House of Cards" acusaram Spacey de ter tornado tóxico o ambiente da produção da série, por causa do assédio sexual.

A juntar a isso, o ator, que já tinha gravado a sua participação em "Todo o dinheiro do mundo", de Ridley Scott, foi afastado do filme, sendo substituído por Christopher Plummer.

Segundo a distribuidora Cinemundo, na próxima semana estarão disponíveis novos 'posters' do filme, já sem o nome de Kevin Spacey nos créditos, e na primeira semana de dezembro estará disponível um 'trailer' sem as cenas onde surgia o ator.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.