Tânia Ribas de Oliveira responde a acusações de plágio

Apresentadora foi acusada de copiar livro de Ana Isabel Arroja

Acusada de plagiar uma obra da radialista Ana Isabel Arroja com o seu recém-lançado livro As Pérolas das Nossas Crianças, Tânia Ribas de Oliveira recorreu ao seu blogue para se defender. A publicação, à qual deu o nome O meu direito de resposta, começa por sublinhar a sua seriedade e profissionalismo.

"Tenho 40 anos. Trabalho em televisão há 20 e nada do que conquistei me caiu do céu. Trabalho com a seriedade necessária de quem respeita a sorte do privilégio - a sorte do privilégio de se ter a profissão com que se sonhou desde criança".

A apresentadora da RTP, mãe de dois meninos - Tomás e Pedro - e autora de três livros infantis, explicou ainda que foi desafiada várias vezes a compilar as "únicas e irrepetíveis" frases dos seus filhos e que, em conjunto com a editora Manuscrito, aceitou criar uma obra que fosse "um registo para todas as mães".

O pior veio depois. "Hoje [sábado] acordei com uma notícia tão triste quanto maldosa: a notícia de que eu teria plagiado uma ideia de há três anos, de uma mãe que teria escrito um livro sobre as frases da filha. E antes desse, quantos houve? E depois do meu, quantos haverá? Espero que muitos, muitos!".

Tânia defendeu-se, depois, garantindo: "Desconhecia esse livro por completo e continuo a desconhecer. Ponto dois", continuou, "as pessoas que agora me acusam, foram das primeiras a incentivar-me à escrita do meu livro". Depois de vários argumentos a seu favor, o rosto da estação pública concluiu: "Obrigada pela publicidade e pela tentativa falhada de ensombrar um projeto bonito. Sejamos humildes: é uma pretensão desmesurada achar que somos demasiado bons para sermos imitados. Antes de nós, já havia outros. E depois de nós, também".

Em declarações a um jornal diário, a animadora da Rádio Comercial Ana Isabel Arroja já tinha frisado: "Desejo o maior sucesso à Tânia, mas o livro dela parece uma cópia do meu", criticou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.