Tânia Ribas de Oliveira responde a acusações de plágio

Apresentadora foi acusada de copiar livro de Ana Isabel Arroja

Acusada de plagiar uma obra da radialista Ana Isabel Arroja com o seu recém-lançado livro As Pérolas das Nossas Crianças, Tânia Ribas de Oliveira recorreu ao seu blogue para se defender. A publicação, à qual deu o nome O meu direito de resposta, começa por sublinhar a sua seriedade e profissionalismo.

"Tenho 40 anos. Trabalho em televisão há 20 e nada do que conquistei me caiu do céu. Trabalho com a seriedade necessária de quem respeita a sorte do privilégio - a sorte do privilégio de se ter a profissão com que se sonhou desde criança".

A apresentadora da RTP, mãe de dois meninos - Tomás e Pedro - e autora de três livros infantis, explicou ainda que foi desafiada várias vezes a compilar as "únicas e irrepetíveis" frases dos seus filhos e que, em conjunto com a editora Manuscrito, aceitou criar uma obra que fosse "um registo para todas as mães".

O pior veio depois. "Hoje [sábado] acordei com uma notícia tão triste quanto maldosa: a notícia de que eu teria plagiado uma ideia de há três anos, de uma mãe que teria escrito um livro sobre as frases da filha. E antes desse, quantos houve? E depois do meu, quantos haverá? Espero que muitos, muitos!".

Tânia defendeu-se, depois, garantindo: "Desconhecia esse livro por completo e continuo a desconhecer. Ponto dois", continuou, "as pessoas que agora me acusam, foram das primeiras a incentivar-me à escrita do meu livro". Depois de vários argumentos a seu favor, o rosto da estação pública concluiu: "Obrigada pela publicidade e pela tentativa falhada de ensombrar um projeto bonito. Sejamos humildes: é uma pretensão desmesurada achar que somos demasiado bons para sermos imitados. Antes de nós, já havia outros. E depois de nós, também".

Em declarações a um jornal diário, a animadora da Rádio Comercial Ana Isabel Arroja já tinha frisado: "Desejo o maior sucesso à Tânia, mas o livro dela parece uma cópia do meu", criticou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.