Mais um caso de assédio em Hollywood. Agora na Amazon Studios

Roy Price, chefe da Amazon Studios, está suspenso. Mais um caso após as queixas de assédio sexual contra Harvey Weinstein, um dos produtores mais influentes de Hollywood

A Amazon suspendeu na quinta-feira o chefe da sua filial dedicada a filmes e séries, a Amazon Studios, após Roy Price ter sido acusado de assédio sexual, numa altura em que Hollywood vive um outro escândalo do mesmo tipo.

Roy Price, chefe da Amazon Studios, "encontra-se de licença, com efeitos imediatos", indicou um porta-voz do gigante norte-americano, através de um comunicado.

Esta decisão tem lugar horas depois de o media especializado The Hollywood Reporter ter publicado uma entrevista com Isa Dick Hackett, que foi produtora da série "The Man in the High Castle", difundida pelo serviço de vídeo 'on-demand' da Amazon, na qual esta afirmou ter sido alvo de várias tentativas de avanços por parte de Roy Price, de 51 anos. Além disso, Roy Price terá ignorado as queixas de abusos sexuais sobre Weinstein.

Depois do escândalo em torno do produtor Harvey Weinstein, alvo de uma série de acusações de abuso e assédio sexual, Hackett, filha do escritor de ficção científica Philip K. Dick, afirmou sentir-se com forças para detalhar uma experiência "chocante e surreal" que sofreu em 2015 envolvendo Price e que foi exposta em agosto no portal especializado em tecnologia The Information.

Segundo o relato de Hackett, Price insinuou-se de forma repetida durante uma viagem de táxi após um dia de promoção na Comic-Con de San Diego.

"Vais adorar o meu pénis", ter-lhe-á dito o executivo da Amazon que, apesar das negas de Hackett, terá continuado a dirigir-lhe comentários sexuais numa festa que teve lugar posteriormente e na qual, por exemplo, lhe gritou ao ouvido "sexo anal".

A produtora informou a cúpula da Amazon do sucedido e foi aberta uma investigação a Roy Price. Apesar de Hackett nunca ter tomado conhecimento do resultado das indagações, afirmou ter notado que nunca mais coincidiu com Roy Price num evento.

"Ter poder e influência é uma enorme responsabilidade. Como alguém como um certo poder, sinto que é imperativo para mim falar. Quero chamar a atenção sobre o comportamento [de Price] e também manter-me num determinado nível. É difícil pelo facto de eu ter dois programas que adoro e de valorizar a minha experiência na Amazon", afirmou.

Price trabalha na Amazon desde 2004 e, como responsável da Amazon Studios, esteve por detrás de séries como "Transparent", "Mozart in the Jungle", "Crisis in Six Scenes", de Woody Allen ou "Man in the High Castle", assim como de filmes como "Manchester By The Sea".

A suspensão de Price chega em plena 'tempestade' de acusações de assédio sexual contra Harvey Weinstein, um dos produtores mais influentes de Hollywood.

Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino, Ashley Judd, Léa Seydoux e Ásia Argento figuram entre as mulheres que denunciaram uma série de episódios diferentes que vão desde presumíveis comportamentos sexuais abusivos a supostas violações por parte do produtor galardoado com um Óscar pela produção de "A Paixão de Shakespeare" (1998).

O escândalo de assédio sexual foi exposto pelo The New York Times na semana passada.

Segundo a investigação do jornal nova-iorquino, as queixas de assédio sexual remontam à década de 1990, mas desde que estalou o caso têm-se sucedido denúncias.

As revelações sobre o cofundador da Miramax e da The Weinstein Company, após artigos do The New York Times e da The New Yorker, provocaram uma enorme polémica em Hollywood.

Múltiplas personalidades do mundo cinematográfico, como as atrizes Meryl Streep, Kate Winslet, Judi Dench e Jennifer Lawrence, que colaboraram profissionalmente com Weinstein, vieram a público condenar o alegado comportamento de Weinstein, vozes às quais se juntaram também a de atores como Colin Firth, Mark Ruffalo, George Clooney e Christian Slater.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos anunciou na quarta-feira que o conselho de administração realiza uma reunião especial no sábado para discutir as acusações contra Weinstein e as eventuais ações a tomar.

As críticas também surgiram de fora de Hollywood, sendo exemplos disso as declarações do antigo Presidente dos Estados Unidos Barack Obama ou da antiga secretária de Estado norte-americana e ex-candidata presidencial Hillary Clinton.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.