Steve Buscemi, um herói inesperado do 11 de Setembro

Antes de ser o ator favorito para um papel de gangster, o ator norte-americano foi bombeiro numa corporação de Manhattan. E, em 2001, nos dias que se seguiram à tragédia, regressou ao quartel para ajudar, mas desta história pouco fala

Foi preciso passar mais de uma década, 15 anos em bom rigor, para que a história se tornasse pública. Nos dias - caóticos - que se seguiram ao 11 de Setembro, o ator Steve Buscemi vestiu a farda de bombeiro e ofereceu a sua ajuda a quem dela precisava, a corporação de bombeiros de Manhattan, no coração de Nova Iorque. Buscemi, conhecido sobretudo pelos papéis que desempenhou em Boardwalk Empire, Os Sopranos, O Grande Lebowski, Fargo ou Con Air: Fortaleza Voadora, era um deles.

Aos 18 anos, o ator fez os testes de aptidão para o Corpo de Bombeiros do estado de Nova Iorque. Passou, e quatro anos depois, em 1980, entrava para uma corporação, na zona de Little Itally, onde trabalhou durante mais de quatro anos, até ter decidido agarrar uma carreira na arte da representação.

Steve Buscemi pertencia à Engine Company n.º 55 e foi para lá que voltou no dia 12 de setembro, no dia a seguir à queda das Torres Gémeas, para vasculhar os escombros no Ground Zero à procura de sobreviventes.

Trabalhou durante uma semana em turnos de 12 horas, descrevem os que com ele trabalharam. O ataque terrorista provocou a morte a 343 bombeiros e a mais de outras três mil pessoas, que, no domingo, foram homenageadas. Mas o ator nunca quis falar sobre o gesto e existem poucos registos fotográficos desta segunda passagem de Buscemi pela corpo-ração de bombeiros. "Foi extremamente útil para mim, porque enquanto trabalhava não pensava e não sentia tanto", referiu apenas em 2013, quando a história foi tornada pública.

O gesto de Buscemi no dia a seguir à queda das Torres Gémeas foi conhecido através de um post na página oficial da corporação no Facebook. "Uma vez irmão, sempre irmão", rematava o autor, também ele membro da Engine Company n.º 55.

Reservado, Buscemi, atualmente com 59 anos, tão-pouco quis falar da terceira passagem pelo quartel, em 2012, quando Nova Iorque foi sacudida pelo furacão Sandy. Mas, para lá dos momentos em que veste a farda e volta a ser o irmão (tratamento usado pelos elementos da corporação), é um ativista dos direitos dos bombeiros.

Em 2003, defendeu aumentos salariais para esta classe e chegou a ser preso juntamente com outros profissionais durante os protestos. Pertence à associação Friends of Firefighters, cuja missão é angariar fundos para os bombeiros. Em 2014 apresentou e produziu para o canal HBO o documentário A Good Job: Stories of FDNY, mostrando imagens inéditas do que é trabalhar como bombeiro na cidade onde nasceu (na zona de Long Island) e onde vive (em Brooklyn), ao lado de antigos colegas da Engine Company n.º 55.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.