Steve Buscemi, um herói inesperado do 11 de Setembro

Antes de ser o ator favorito para um papel de gangster, o ator norte-americano foi bombeiro numa corporação de Manhattan. E, em 2001, nos dias que se seguiram à tragédia, regressou ao quartel para ajudar, mas desta história pouco fala

Foi preciso passar mais de uma década, 15 anos em bom rigor, para que a história se tornasse pública. Nos dias - caóticos - que se seguiram ao 11 de Setembro, o ator Steve Buscemi vestiu a farda de bombeiro e ofereceu a sua ajuda a quem dela precisava, a corporação de bombeiros de Manhattan, no coração de Nova Iorque. Buscemi, conhecido sobretudo pelos papéis que desempenhou em Boardwalk Empire, Os Sopranos, O Grande Lebowski, Fargo ou Con Air: Fortaleza Voadora, era um deles.

Aos 18 anos, o ator fez os testes de aptidão para o Corpo de Bombeiros do estado de Nova Iorque. Passou, e quatro anos depois, em 1980, entrava para uma corporação, na zona de Little Itally, onde trabalhou durante mais de quatro anos, até ter decidido agarrar uma carreira na arte da representação.

Steve Buscemi pertencia à Engine Company n.º 55 e foi para lá que voltou no dia 12 de setembro, no dia a seguir à queda das Torres Gémeas, para vasculhar os escombros no Ground Zero à procura de sobreviventes.

Trabalhou durante uma semana em turnos de 12 horas, descrevem os que com ele trabalharam. O ataque terrorista provocou a morte a 343 bombeiros e a mais de outras três mil pessoas, que, no domingo, foram homenageadas. Mas o ator nunca quis falar sobre o gesto e existem poucos registos fotográficos desta segunda passagem de Buscemi pela corpo-ração de bombeiros. "Foi extremamente útil para mim, porque enquanto trabalhava não pensava e não sentia tanto", referiu apenas em 2013, quando a história foi tornada pública.

O gesto de Buscemi no dia a seguir à queda das Torres Gémeas foi conhecido através de um post na página oficial da corporação no Facebook. "Uma vez irmão, sempre irmão", rematava o autor, também ele membro da Engine Company n.º 55.

Reservado, Buscemi, atualmente com 59 anos, tão-pouco quis falar da terceira passagem pelo quartel, em 2012, quando Nova Iorque foi sacudida pelo furacão Sandy. Mas, para lá dos momentos em que veste a farda e volta a ser o irmão (tratamento usado pelos elementos da corporação), é um ativista dos direitos dos bombeiros.

Em 2003, defendeu aumentos salariais para esta classe e chegou a ser preso juntamente com outros profissionais durante os protestos. Pertence à associação Friends of Firefighters, cuja missão é angariar fundos para os bombeiros. Em 2014 apresentou e produziu para o canal HBO o documentário A Good Job: Stories of FDNY, mostrando imagens inéditas do que é trabalhar como bombeiro na cidade onde nasceu (na zona de Long Island) e onde vive (em Brooklyn), ao lado de antigos colegas da Engine Company n.º 55.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.