Stephen Hawking gostava de ser um vilão de James Bond

"Acho que a cadeira de rodas e a voz computorizada seriam adequadas para o papel", brincou o físico.

Antecipando a estreia do filme sobre a sua vida, The Theory of Everything, Stephen Hawking disse que gostava de ser o vilão num filme de James Bond, e acrescentou que a sua aparência particular, com a cadeira de rodas e a voz gerada por computador, o tornam perfeito para o papel.

"O meu papel ideal seria um mau num filme do James Bond", disse Hawking, em entrevista à revista Wired. "Acho que a cadeira de rodas e a voz computorizada seriam adequadas", brincou, citado pelo Guardian.

O físico de 72 anos, que a esclerose lateral amiotrófica confinou a uma cadeira de rodas, e que só consegue falar através de um sintetizador de voz que opera com um pequeno movimento da bochecha, não é estranho às câmaras. Já surgiu num episódio de Star Trek, várias vezes na série The Big Bang Theory, e apareceu também nos Simpsons.Em outubro passado esteve em Lisboa.

Veja o trailer do filme biográfico sobre Hawking, The Theory of Everything

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.