Sexismo ou escolha pessoal? Jennifer Lawrence responde a críticas a vestido

"Isto não é apenas completamente ridículo, estou extremamente ofendida", escreve a atriz

A imagem de Jennifer Lawrence num vestido Versace decotado e de alças, no frio de Londres, rodeada por colegas encasacados, correu o mundo, com alguns a verem uma forma de sexismo. A norte-americana responde agora que não percebe a origem desta "controvérsia" e garante que o que veste é uma escolha dela e passar frio também: "É ridículo, isto não é feminismo."

"Isto não é apenas completamente ridículo, estou extremamente ofendida", escreve a jovem de 27 anos numa publicação no Facebook. "Teria ficado na neve com aquele vestido porque adoro moda e foi a minha escolha. Isto é sexista, é ridículo, isto não é feminismo. Exagerar na reação a tudo o que uma pessoa diz ou faz, criar controvérsias sobre coisas inócuas e parvas como o que escolho ou não usar, não é andar para a frente. É criar distrações sobre os temas que realmente importam."

Muitos apontaram o contraste da atriz com os colegas Francis Lawrence, Matthias Schoenaerts, Joel Edgerton e Jeremy Irons, na apresentação do filme Red Sparrow, como um exemplo do sexismo na indústria de Hollywood, ao forçar as mulheres a exibirem os vestidos e a sua beleza, mesmo que isso signifique passar frio. "Que imagem tão deprimente (e reveladora). Sobretudo porque saí hoje e faz um frio de gelar", escreveu a escritora e jornalista Helen Lewis no Twitter, por exemplo.

Para a atriz, que recentemente revelou que quer dedicar mais tempo ao ativismo, os temas que realmente importam são questões que tem defendido como as desigualdades salariais, os direitos da mulheres, o abuso e assédio sexual.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.