"Serei sempre amiga do rei", diz Corinna de Juan Carlos

A princesa Corinna zu Sayn-Wittgenstein, que estava com o anterior rei de Espanha quando este sofreu uma queda numa caçada no Botswana, garante que os rumores não a assustam.

A alemã Corinna zu Sayn-Wittgenstein assistiu hoje ao desfile de Carolina Herrera, no âmbito da Semana da Moda de Nova Iorque, e afirmou ao jornal espanhol El Mundo que "não será a última vez que se ouvirão rumores sobre um possível casamento com o rei Juan Carlos".

Apontada no ano passado pela imprensa alemã como a alegada amante do antigo monarca espanhol, Corinna, garante que não se assusta com o que se diz sobre ela. "Continuarão a dizer todo o tipo de coisas, já não me surpreende nada. Tudo o que quero dizer, e não me canso de repetir, é que o rei é meu amigo, sê-lo à para sempre e que temos muito carinho, e assim vai continuar", disse, segundo é citada pela publicação.

Na semana passada, o jornal italiano "La Reppublica" avançou que o divórcio de Juan Carlos e Sofia está iminente e que o casal está separado há meses.

Corinna, uma divorciada de 47 anos que mantém o título e apelido do segundo marido, o príncipe Casimir zu Sayn-Wittgenstein, estava com Juan Carlos quando, em abril de 2012, este viajou até ao Botswana para uma caçada aos elefantes, caiu, partiu a anca e teve de ser repatriado de emergência para Espanha, onde foi operado.

O seu nome foi também mencionado no caso Urdangarin, que tem a ver com a suspeita de desvio de fundos. O ex-sócio do genro do rei de Espanha entregou vários documentos, incluindo correios eletrónicos que mencionam Juan Carlos, em relação ao patrocínio de uma competição de vela em Valência e a uma oferta de trabalho feita a Urdangarin pela princesa Corinna Sayn-Wittgenstein, amiga do monarca.

Agora, em Nova Iorque, assistiu ao desfile de moda de Carolina Herrera, no qual também esteve presente Jaime de Marichilar, que foi casado com a infanta Elena, a filha mais velha dos reis.

Juan Carlos abdicou do trono espanhol a favor do filho, mas mantém o título. Felipe VI foi proclamado rei a 19 de junho.