Sedução solidária. Socorristas da Cruz Vermelha em novo calendário

Socorristas querem angariar dinheiro para comprar uma nova ambulância

As socorristas das Cruz Vermelha de Vilela de Paredes voltaram a posar para um calendário sensual. Pela terceira vez, as socorristas pretendem recolher fundos para a instituição mas, se no passado o objetivo era concluir as obras na sede, agora as "modelos" querem comprar uma nova ambulância.

O cariz generoso do calendário, que mostra fotografias de 13 mulheres, é ainda reforçado pelo nome do projeto: sedução solidária.

O calendário já está à venda e as socorristas esperam conseguir cumprir o seu objetivo, tal como fizeram no passado. "Esperamos ter o mesmo sucesso das edições anteriores, nas quais vendemos mais de mil calendários por ano", afirmou Mariana Silva, uma das coordenadores do projeto, ao Jornal de Notícias.

O calendário de 2017 vai ser, no entanto, um pouco, diferente pois vai mostrar que as socorristas podem ser sexy's estando "totalmente fardadas", explicou a coordenadora.

Ao mesmo tempo que pedem apoios para a Cruz Vermelha, as socorristas estão a promover a indústria mobiliária de Paredes. Os cenários das fotografias são empresas ligadas ao mobiliário e a Casa da Cultura de Paredes. A produção do calendário foi ainda patrocinada em parte por empresas da "Rota dos Móveis", slogan da campanha para promover a indústria de mobiliário de Paredes.

O calendário custa cinco euros e pode ser comprado na sede da Delegação de Vilela da Cruz Vermelha ou através do Facebook.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.