Saiba o que a família real britânica come no Natal

Darren McGrady, ex-"chef" de Isabel II, revela as tradições gastronómicas da família real britânica na quadra natalícia.

O Natal da família real britânica, assim como o de tantas outras, é feito de tradições. Todos os anos, a Rainha Isabel II desloca-se até Norfolk, onde tem uma das suas residências, no dia 19 ou 20 de dezembro, e os restantes elementos chegam na véspera de Natal, por volta da hora do almoço.

Esta é uma das informações dadas por Darren McGrady, um dos antigos chefs da monarca de 90 anos, que explicou agora, no seu livro Eating Royally - Recipes and Remembrances from a Palace Kitchen outros detalhes sobre a quadra que se avizinha no seio da família real britânica.

"Depois de um chá durante a tarde de Consoada, eles abrem os seus presentes. Na manhã de Natal, a família tem por hábito tomar um pequeno-almoço reforçado antes de se deslocarem até à Igreja para a missa. No grande almoço que se segue, é normal haver salada de camarão ou lagosta, bem como peru assado acompanhado com cherovias, cenouras, couves de Bruxelas. Na sobremesa, pudim com manteiga de Brandy.

"Esta é a refeição que eles mantêm há anos. Depois de comerem, todos se sentam para assistir ao discurso natalício da rainha e voltam a juntar-se para beber chá à tarde e comerem o tradicional bolo de frutas. Ao jantar do dia 25, espera-os uma refeição buffet com 15 a 20 confeções diferentes. Os aperitivos e canapés não são muito usados no Natal, mas sim na véspera de Ano Novo", acrescenta o ex-chef da família real britânica.

Darren McGrady revela também que Isabel II gosta de presentear o chef responsável pela ementa natalícia com um copo de uísque, no dia 25. "É a única altura em que o cozinheiro vai até à sala de jantar da família", diz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.