Roupa tigresa igual à de Alana Martina custa 245 euros e está esgotada

A roupa usada pela filha de Cristiano Ronaldo e Georgina Rodriguez na primeira sessão fotográfica deu que falar

O estilo tigresa de um body que Alana Martina usou na sessão fotográfica para a capa da revista espanhola Hola! deu nas vistas e é a própria publicação que revela: a peça de roupa usada pela bebé de Cristiano Ronaldo e Georgina Rodriguez é da Dolce & Gabbana. E tem um custo compatível com o nome da marca.

O body, com um padrão a imitar a pele do leopardo, faz conjunto com um babete. No site da Dolce & Gabbana, a peça está esgotada, apesar do preço: 245 euros.

As outras roupas usadas pela bebé, nascida a 12 de novembro, são da Bonnet à Pompon, uma marca com preços mais acessíveis.

Georgina Rodriguez revelou à Hola! que o parto "foi uma experiência muito diferente do que imaginara". A jovem admitiu que tentou não pensar muito nesse momento antes de este acontecer, concentrando-se em fazer uma vida normal até chegar a hora. A namorada do futebolista português disse que foi um parto "muito bonito, fácil e rápido".

Além disso, realçou que a obstetra fez acompanhar esse momento com música de Alicia Keys e disse que se criou "uma atmosfera única" e que foi "memorável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.