Roubaram fotos privadas a Emma Watson e ela já chamou o advogado

Relações públicas da atriz que já foram tomadas as medidas legais e que "não serão feitos mais comentários"

Emma Watson vai tomar medidas legais depois de fotografias privadas da atriz terem sido alegadamente roubadas e partilhadas online. As imagens terão sido partilhadas na dark web, parte mais perigosa e de difícil acesso na internet.

De acordo com o seu relações públicas, as fotos roubadas são de uma prova de roupa que a atriz teve com um estilista há uns anos. "Não são fotografias dela nua. Os advogados já receberam instruções e não faremos mais comentários", acrescentou, de acordo com o The Guardian.

A atriz já havia sido ameaçada com a divulgação de fotografias íntimas e nus, depois de discursar sobre a igualdade de género enquanto embaixadora das Nações Unidas para as mulheres.

"Sabia que era um embuste, que as fotos não existiam. No momento em que falei sobre os direitos das mulheres fui ameaçada imediatamente. Menos de doze horas depois estava a receber ameaças", disse a atriz.

Também escreveu um tweet sobre a "falta de empatia" em relação à situação.

Este ataque e roubo surge pouco tempo depois de Emma Watson ter sido criticada por uma fotografia que tirou para a Vanity Fair. Muitos críticos disseram que era demasiado reveladora e ia contra os ideais feministas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".