Roubaram fotos privadas a Emma Watson e ela já chamou o advogado

Relações públicas da atriz que já foram tomadas as medidas legais e que "não serão feitos mais comentários"

Emma Watson vai tomar medidas legais depois de fotografias privadas da atriz terem sido alegadamente roubadas e partilhadas online. As imagens terão sido partilhadas na dark web, parte mais perigosa e de difícil acesso na internet.

De acordo com o seu relações públicas, as fotos roubadas são de uma prova de roupa que a atriz teve com um estilista há uns anos. "Não são fotografias dela nua. Os advogados já receberam instruções e não faremos mais comentários", acrescentou, de acordo com o The Guardian.

A atriz já havia sido ameaçada com a divulgação de fotografias íntimas e nus, depois de discursar sobre a igualdade de género enquanto embaixadora das Nações Unidas para as mulheres.

"Sabia que era um embuste, que as fotos não existiam. No momento em que falei sobre os direitos das mulheres fui ameaçada imediatamente. Menos de doze horas depois estava a receber ameaças", disse a atriz.

Também escreveu um tweet sobre a "falta de empatia" em relação à situação.

Este ataque e roubo surge pouco tempo depois de Emma Watson ter sido criticada por uma fotografia que tirou para a Vanity Fair. Muitos críticos disseram que era demasiado reveladora e ia contra os ideais feministas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.