Ronaldo quer que a mãe ande sempre com guarda-costas

Dolores revela que CR7 lhe pede para andar acompanhada por seguranças. "Mas eu nunca quis", garante

Júlia Pinheiro escolheu a matriarca do clã Aveiro, Dolores, como primeira entrevistada para a sua nova aplicação móvel, 'Júlia - de Bem com a Vida'. Numa conversa descontraída, em Madrid, a mãe de Cristiano Ronaldo revelou que o seu filho insiste, constantemente, em vê-la acompanhada por guarda-costas para qualquer sítio onde vá. Mas ela recusa.

"Quando vou a qualquer sítio, o Ronaldo diz: "A mãe tem de ter um segurança ao seu lado". Mas eu nunca quis. Sinto-me à vontade, não preciso de nenhum guarda-costas atrás de mim. Vivo muito tranquila. Tenho mais receio quando estou com o Cristiano [neto], mas nunca tive chatices", explica, num vídeo promocional divulgado pela apresentadora da SIC.

Aos 61 anos, Dolores assegura que se sente "melhor do que quando tinha 30 anos". "Tinha a vida muito pesada, trabalhava muito e só pensava em vir para os filhos. Na altura, não me arranjava, não tinha possibilidades para pinturas nem nada, e para mim era simples viver como vivia". Sobre a forma como perdeu peso".

A Júlia, confessa ainda que não foi feita para o mundo da fama e recorda uma das fases mais difíceis da sua vida, quando lutou contra um cancro da mama. "O chão parece que se abriu debaixo dos pés. Claro que pensei 'Bem, se tiver de partir para outro mundo, vou. Mas sei que já tenho os filhos criados'. Mas com força de vontade conseguimos ultrapassar. Depois disto, fiquei mais forte.", frisa.

Na mesma altura em que lutou contra a doença, Dolores conta que estava a tirar a carta de condução. "Tive que deixar, pensei que já não ia conseguir, mas com a força dos meus filhos acabei de fazer o tratamento e tentei tirar a carta. Quando a tinha na mão, não acreditava. Ia fazer 52 anos. Tenho um orgulho tão grande quando pego no carro e dou uma volta", ri-se.

No final da entrevista, a diretora de conteúdos da SIC pergunta-lhe qual o homem mais bonito do mundo. "O Cristiano e os meus filhos", responde a matriarca, prontamente. "E qual é a mulher mais bonita do mundo?", questiona Júlia. "Por enquanto, sou eu", atira, entre risos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.