Ronaldo quer que a mãe ande sempre com guarda-costas

Dolores revela que CR7 lhe pede para andar acompanhada por seguranças. "Mas eu nunca quis", garante

Júlia Pinheiro escolheu a matriarca do clã Aveiro, Dolores, como primeira entrevistada para a sua nova aplicação móvel, 'Júlia - de Bem com a Vida'. Numa conversa descontraída, em Madrid, a mãe de Cristiano Ronaldo revelou que o seu filho insiste, constantemente, em vê-la acompanhada por guarda-costas para qualquer sítio onde vá. Mas ela recusa.

"Quando vou a qualquer sítio, o Ronaldo diz: "A mãe tem de ter um segurança ao seu lado". Mas eu nunca quis. Sinto-me à vontade, não preciso de nenhum guarda-costas atrás de mim. Vivo muito tranquila. Tenho mais receio quando estou com o Cristiano [neto], mas nunca tive chatices", explica, num vídeo promocional divulgado pela apresentadora da SIC.

Aos 61 anos, Dolores assegura que se sente "melhor do que quando tinha 30 anos". "Tinha a vida muito pesada, trabalhava muito e só pensava em vir para os filhos. Na altura, não me arranjava, não tinha possibilidades para pinturas nem nada, e para mim era simples viver como vivia". Sobre a forma como perdeu peso".

A Júlia, confessa ainda que não foi feita para o mundo da fama e recorda uma das fases mais difíceis da sua vida, quando lutou contra um cancro da mama. "O chão parece que se abriu debaixo dos pés. Claro que pensei 'Bem, se tiver de partir para outro mundo, vou. Mas sei que já tenho os filhos criados'. Mas com força de vontade conseguimos ultrapassar. Depois disto, fiquei mais forte.", frisa.

Na mesma altura em que lutou contra a doença, Dolores conta que estava a tirar a carta de condução. "Tive que deixar, pensei que já não ia conseguir, mas com a força dos meus filhos acabei de fazer o tratamento e tentei tirar a carta. Quando a tinha na mão, não acreditava. Ia fazer 52 anos. Tenho um orgulho tão grande quando pego no carro e dou uma volta", ri-se.

No final da entrevista, a diretora de conteúdos da SIC pergunta-lhe qual o homem mais bonito do mundo. "O Cristiano e os meus filhos", responde a matriarca, prontamente. "E qual é a mulher mais bonita do mundo?", questiona Júlia. "Por enquanto, sou eu", atira, entre risos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.