Roman Polanski não vai ser acusado por alegado assédio de menor em 1975

Caso prescreveu. Polícia pode utilizar as provas que encontre para ajudar a esclarecer outros casos em que realizador está envolvido

A procuradoria dos EUA não vai acusar o cineasta Roman Polanski por alegado assédio sexual de uma menor de 10 anos em 1975, porque o caso prescreveu, informou na segunda-feira o Los Angeles Times.

A assistente do procurador do condado de Los Angeles Michele Hanisee rejeitou acusar formalmente o cineasta pelas alegações apresentadas em dezembro passado por Marianne Barnard, que afirmou ter sido vítima de assédio sexual durante uma sessão fotográfica em que o realizador a retratou nua.

Embora se previsse que o caso não iria avançar por ser demasiado antigo, a polícia de Los Angeles investigou as alegações porque pode utilizar as provas que encontre para ajudar a esclarecer outros casos em que Roman Polanski se encontra envolvido.

Em agosto, outra mulher, identificada como Robin M., denunciou publicamente em Los Angeles que foi vítima de abusos por parte do cineasta em 1973 quando tinha 16 anos.

Esta denúncia veio somar-se à de outras mulheres que, no passado, deram conta de abusos como Charlotte Lewis em 2010 e Samantha Geimer em 1977.

O realizador franco-polaco declarou-se culpado no caso de Samantha Geimer, mas fugiu para a Europa antes de ser condenado.

Polanski, que agora tem 84 anos, apresentou em fevereiro do ano passado uma série de documentos para regressar aos Estados Unidos e encerrar o caso sem ter que passar pela prisão, no entanto, um juiz de Los Angeles recusou a proposta dois meses depois.

Em 1977, Polanski, que tinha então 43 anos, drogou e obrigou Geimer, de 13, a manter relações sexuais depois de uma sessão fotográfica, delito pelo qual foi preso.

Polanski declarou-se culpado e passou 42 dias na cadeia. Contudo, uma vez em liberdade sob fiança e face ao receio de ter de voltar à prisão para cumprir uma pena muito mais severa, fugiu dos Estados Unidos em finais de 1978, refugiando-se na Suíça.

Roman Polanski admitiu ter tido relações sexuais ilícitas com a menor e, em troca, o juiz concordou em não reter outras acusações mais graves, incluindo a de violação e uso de drogas. O acordo legal foi obtido com o consentimento da família e dos seus advogados.

O cineasta justificou a fuga com o argumento de que, apesar do acordo para cumprir apenas 48 dias na prisão, o magistrado Laurence Rittenband pretendia impor-lhe uma condenação mais severa do que a acordada.

Este imbróglio judicial restringiu a sua liberdade de movimentos em todo o mundo durante anos face ao receio de que os Estados Unidos reclamem a sua extradição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.